Sir Joe lança sanduíche em homenagem a Marylou do Ultraje a Rigor

Sir Joe lança sanduíche em homenagem a Marylou do Ultraje a Rigor

Pra quem tem mais de trinta, a referência cai direto naquela frasezinha “Eu tinha uma galinha que se chamava Marylou…”, estrofe inicial do mega sucesso da banda paulista Ultraje a Rigor nos anos 80. Tocava no rádio e todo mundo cantava pelas ruas a história da galinácea do personagem que teve que mata e comê-la. E foi isso que o food truck mais famoso de Terê fez, na realidade este mês. Matou a galinha pro cliente comer. O Sir Joe lançou, na edição de Carnaval do Rock in Rua (27/02), o sanduíche Marylou. Da série Rock Monsters Burger Collection que reverencia o Ultraje e coloca o frango como carne principal. Com muita classe e – principalmente – SABOR. Não aqueles sanduichezinhos sem graça. É um delicioso Motherf***ker burger, sem dúvida. Nós provamos e aprovamos com louvor!

Depois do incrível Ozzi’s Warpigs, que honrou o cantor do Black Sabbath e da segunda pedrada: Forty Licks, que venerou o Rolling Stones, agora é a vez do genuíno monstro nacional. “Os outros dois a gente escolheu as bandas e criou o sanduíche com as peculiaridades da banda”, explica Joffre ao contar a divertida história de Marylou. “Desse vez a gente criou a receita e ficou em um verdadeiro impasse e não conseguia encontrar nenhuma referência de frango no rock’n’roll e faltando dois dias para o Rock in Rua, eu conversei com a produtora do evento, a Mara e disse que não tinha nome para o sanduíche e estava desesperado. Depois que terminamos de conversar, não deu dez minutos, recebi um áudio do WhatsApp com ela cantando ‘Eu tinha uma galinha que se chamava Marylou…’. foi uma sensação maravilhosa (risos)”, diverte-se o publicitário que abandonou tudo para se dedicar à comida de rua.

É muito sabor e amor na Marylou

Na verdade o terceiro Monster da série é a primeira parceria de Joffre Aschar com a sua esposa Cris Dias. “A minha esposa fez um frango que estava maravilhoso, insistindo que eu transformasse em hambúrguer. Mas eu fiquei com muito medo porque um hambúrguer é diferente de um frango, mas um dia eu consegui fazendo um blend. Eu não trabalho com 200g de peito de frango. Na verdade é um blend de peito de frango e sobre-coxa e o molho de mostarda que é original dela; a cebola e o shitake puxados no shoyo e no conhaque, que vem para coroar em cima da mussarela com o belíssimo pão Petrópolis que é receita original nossa, feito pela gente”, empolga-se o empresário que ficou muito satisfeito com o resultado: “Pois é. No dia que a gente testou três vezes, eu falei: Isso vai dar muito samba!”. Completa a fera, esquecendo que é um Monstro do Rock, mas – como tudo no Brasil, acaba em samba.

Sotaque francês

Um hambúrguer que não é agressivo. Saboroso e com muita classe. Essa é a característica máxima da Marylou, que apesar ter referência ao debochado rock brasileiro, possui um sotaque… Francês? “Na verdade a Marylou era pra ser um hambúrguer inspirado no sul da França”, revela Joffre, com toda a sua experiência com sanduíches e comida de rua. “Isso porque ele tem aquele aroma da mostarda, tem a leveza e a suavidade da carne que tem sabor de verdade e tem os cogumelos puxados no shoyo com cebola que tem um sabor marcante, mas não são agressivos como o bacon do Forty Licks, mas a suavidade e o sabor que lembram o sul da França”, completa o cara para enfim afirmar: “É meio blazé, mas é delicioso, vale a pena experimentar”, encerra com um sorriso. Em tempo: No Rock in Rua, o guitarrista Serginho Serra, ex-Ultraje que mora em Teresópolis, cantou a música tema do sanduíche especialmente para o lançamento. Uhulll!!!

Comente!

Fechar Menu